segunda-feira, 20 de abril de 2009

Porque não viver?

Porque não viver?
Não viver esse mundo
Porque não viver?
Se não há outro mundo

O tempo passa, e o vazio não é fome. Porque o 'passa' soa tão clichê? Acho que por ser algo obvio. Então o tempo, tempo e pronto. Sem por em segundo plano o vazio, tema principal do texto hoje. Não é um vazio de quem falte algo à me completar - algo que não sei o que é - não é isso. É o vazio pós subtrações. A vida (dando na cara) tirou pequenas coisas, grandes momentos e importantes pessoas. Sim, estão todas vivas. Não mortas em memórias, mortas em presença. Dizem disso (vida) ser um ciclo, não acredito, é mais clichê que o 'passar' citado anteriormente. Ela para, estática, depois de tirar o melhor. Pois é, a vida levou até o acento do 'para'. Essas não são palavras ditas pra serem tristes, ou metamorfoseadas na parte triste da natureza. São constatações e pronto. Mais nada. E não se assuste pessoa se eu - ainda sim - lhe disser que a vida é boa!

E prá ter outro mundo
É preci-necessário
Viver! ♪ Viver contanto/Em qualquer coisa/Olha só, olha o sol/O maraca domingo/O perigo na rua...

2 comentários:

Suh; Rei Sol, conhece? disse...

' Não mortas em memórias, mortas em presença.' ok, isso é a mais triste e pura verdade .

Dan Souza disse...

Esse vazio inexplicável é o mesmo que eu sinto.
A vida me trouxe tão longe e vcs já não estão tão perto. Sinto falta de vocês pra compartilhar toda essa alegria que eu tô sentindo e todas aquelas velhas (e novas) angustias também.

Te amo taaanto!