sábado, 24 de julho de 2010

Com mais açucar


A visão atravessando a fumaça, as pernas no embalo do balançar da rede, o paladar a repousar no restante de um último gole e o pensamento a vagar em alguma cidade submersa. Imerso nesse breu, lembro do que não aconteceu. A quântica rompida. Ah, se seguíssemos  nossos caminhos por uma mesma rua ...seria colo, noites, café da manhã com mais açúcar, rima com mais poesia. Está frio aqui e seria verão. Eu me afobo numa figura pela tela. E o que será?

Amores serão sempre amáveis ♪'

2 comentários:

Tatiana F. disse...

Adoro o jeito como você escreve, as palavras que usa e o que você transmite pra quem sabe admirar seus textos.

Diego! disse...

Que coisa boa de ler...
até...