quinta-feira, 13 de maio de 2010

Ombros



Perdi-me nos acordes altos de algumas gargalhadas, no vento da praia na madrugada, em conversa de vitrine. Esqueci de maio. Esqueço o dia todos os dias, contei cada data em fatos (o 'f', na verdade, é opcional). Talvez eu não tenha descrito muito os batuques de garrafa vazia ecoando pro mar, ou lua cansando-se com lagoas temporárias em monte de areia cercadas de nossas químicas. Eu não sei de hoje. Não vou passar maio esperando por junho. O Ontem foi meu acaso (palavra que casa com destino), meu dia-a-dia, minha cafeína, minha trilha, latidos, fadiga. Foi aquele slogan, logo acima, agora visto num riso qualquer de quintas-feira. A singularidade de meus credos, multiplicidade de meus ombros, infinidade das novas palavras.

Um comentário:

Jonathas Nascimento disse...

Victor,
Muito bom! Adorei a frase " eu não sou Chico mas quero tentar", genial!

Abraços,