quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Paralelo


Depois de cumprir o que era obrigado a fazer, como era de costume, ele pegava a chave dentro de sua caixa de madeira. Então ia até o porão, destrancava a porta e entrava. A medida em que descia as escadas já lhe era possivel ver o encantador, a bailarina, a bruxa, o faz-risos e todos os outros heróis que ele havia escolhido para compor seu mundo. Pela fresta na parede, para ventilação do porão, ele expulsava tudo que tentava tirar as cores e luzes de seu mundo. Outros insistiam, como ervas-daninhas, a entrar no seu show. A estes ele gritava: Chega! Alguns não sabiam mesmo a hora de sair de cena. Mas o encantador estava ali e, mesmo tendo um mundo menor, lhe ensina a passar por cima de tudo pra não perder a chance da conquista de seres. A bailarina também lhe trazia coisas boas, como expressar sua alegria com o corpo. Alegria tal como o faz-risos, mediante a tudo sempre tirava piadas de dentro de sua cart0la. A bruxa que ele se aproximava e se sentia protegido do mal. Mal que quer rondar seu show. Não só esses mas todos os outros que ele escolheu a dedo para partilhar seu momento de fulga da realidade.
E era assim que toda noite ele contava seus personagens, escrevia suas histórias. Através disso você cria seu mundo!

2 comentários:

amanda lee jones disse...

o que há por trás dos espelhos?
faces sorridentes, todos usam uma máscara
...
quem estará em volta quando tudo acabar?'

Diego disse...

HUmmmm um texto de ficção mas com coisas que n´so vemos no mundo real....