sábado, 31 de outubro de 2009

Claro/Escuro


Melhor esquecer. Já vi a luz o suficiente. Quero ver amanhã - claridade, calor, cimento e pedra! Daí então parte de mim as palavras desesperançosas, nada melódicas - como tudo que vem de mim não é - que faz desacreditarem em toda poesia que transpiro. É isso que, talvez, queira exalar. Estranho em mim mais que à qualquer pessoa. E quero acordar amanhã e não pensar assim, mas me conhecendo em todos os meus silêncios e barulhos sei porque faço assim. Barreiras do 'melhor assim' que brotam em mim. Como cicatrizantes em troncos de árvores. Sem, quem sabe, querer. E num revezamento de claro e escuro o tempo e oportunidade passam. Nada mais comum que isso na vida. Tudo sem querer parecer o 'melódico' já citado, apesar da música e das gotas na janela. E não, eu nunca esqueço.


5 comentários:

Tiago Fagner disse...

essa ficou difícil de entender, mais escuro que claro esse texto.
Se quiser me add no msn: tiago17a@hotmail.com

Tiago Fagner disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Diogo Rodrigues disse...

Quando te olhas ao espelho, ali enfre ao cimento, é mais claro ou escuro? Émelhorassim.
Sem exclamações ou interrograções.

Rα i sα ~ disse...

Algumas frases são claras, outras escuras, e o tempo passa junto com as oportunidades e tudo mais na vida. E eu não sei se só te repito ou se concordo. Eu não sei se entendi... Você se supera a cada dia mais /interna :)

E eu queria mesmo era comentar em outros 'texto'.

Dan Souza disse...

Você se supera a cada dia mais /interna :)[02]

Juro que tentei, mas esse eu desisti de entender...rs

Te amo!