quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Fôlego


De todos os textos , fui grato. De onde me surgiu esse vácuo, ou essas datas antigas e insossas por tanto tempo em minha última feição em tela? Dos meses, fui atento. Atento à não sobrar-me tempo. A blefar quatro ais à mão quando eu apostava dias e meses de fichas – sem nunca  querer olhar o que há de certo em minha mão. E se dessa continuidade de texto metafórico alguém espera alguma solução, engana-se. Não é ficção. É jogo viciado. Eu, sou todo números oscilantes nas cartadas do jogo.  Às vezes sou grande, outras minúsculo.  Teve valete que virou Rei. Assim, dessa forma, e não sabendo eu – nem por um momento – a certeza de que estava dedicando meu dormir e meu acordar cotidiano à cartada certa; ausentei-me  de tudo que pudesse definir afinal.  Mas, sou todo regra. Todo. Inteiro. Perversão. Comoção. Traição. Canceriano. Infinitas notas da canção , não são música alguma sem qualquer audição. Percorro esse meu cotidiano, à dois, pondo-me sempre em espera. Duas. A espera da realidade crua, uma bomba relógio (na verdade, só o relógio – pra te mostrar tempo perdido);  a espera do joelho invadir o meio de meus dois joelhos no meio da noite de sono e eu ter meu travesseiro de pele e pelo.  Eu que escrevi todas as exceções, ando todo regra.  E talvez a explosão me renda bons textos, cálculos de horas perdidas e desejos auto-afirmativos [dos quais tu já és repleto]. Mas não, hoje sou eu mesmo. Sem denominar-me regra, carta, ponteiro. Eu sou demasiado completo, ocupado e lírico no que falo antes de ‘boa noite, amor’.  Sou errado, vendido e mortal.  Cobro a linha, mas sou parte viés. Mortal, então e enfim. Sou o outro lado da corda, eu rompo a cada vez que não pareces comigo. Em palavras me vejo tese reprovada desse último semestre. Em atos sou contradição de meus rascunhos em grafite e histórico. Eu brindo meu encontro com café pra me manter acordado. Mas sou macio e não quebro. És esse tempo de mim, quiçá, parte. A minha história divida é risco e prazer. Minha pele invadida é paixão, e também, prazer. Mas eu aproveito pra confessar, eu sou assim. Ninguém tem exclusividade não. Percorra tua gargalhada na minha linha do tempo, que eu gosto. Agenda de telefone já não é apólice de seguro. Põe-me a mesa com apelido brega e me compra inteiro pelo tempo e pelo tempero que quiser. Eu ainda fecho os olhos listando-me atitudes do dia de amanhã que sempre se quebram no café da manhã. És moeda de compra em constelação de câncer. E eu sei que sou a ficha mais alta que podes apostar e essa é a minha aposta para o futuro – qual seja ele. Até lá, me deixe respirar mais do teu ar.

2 comentários:

mundofantasticobob disse...

Sem palavras! Tão profundo e intenso. Tão íntimo e tão universal. PERFEITO!

Thais I. disse...

Victor, de saudades dos seus textos... o jeito é vir aqui e me encontrar nos antigos... gosto tanto de te ler!